Julgamento histórico pode definir o futuro das Terras Indígenas do Brasil