Criação de cooperativa contribui para aprimorar organização Sócioprodutiva na Resex Verde para Sempre

No dia 22 de julho, na cidade de Porto de Moz, foram subscritos 56 cooperados de quatro comunidades da Reserva Extrativista Verde para Sempre (Ynumbi, Paraiso, Por Ti Meu Deus e Espirito Santo)

No último domingo, 22 de julho, aconteceu na cidade de Porto de Moz, a assembleia ordinária de criação da COMAR (Cooperativa Mista Agroextrativista Floresta Sempre Viva Três Rios). Na ocasião foram subscritos 56 cooperados de 4 comunidades da Reserva Extrativista Verde para Sempre (Ynumbi, Paraiso, Por Ti Meu Deus e Espirito Santo) totalizando um capital social de R$5.500,00. Desde 2016, o IEB em parceria com o CDS e com apoio do USFS/ICMBIO/USAID e CLUA, tem realizado ações de fortalecimento organizacional junto às comunidades para a constituição de um arranjo institucional que atenda às realidades especificas das comunidades. Os resultados desse trabalho já se materializam na constituição da cooperativa a qual inicia com a formação de uma diretoria com a maioria de representação de mulheres e a destinação de todas as sobras líquidas para a constituição do Fundo Comunitário e do Fundo de Investimento, ficando o primeiro sob a gestão das associações comunitárias. Acreditamos que esses encaminhamentos são consequência da metodologia utilizada para a constituição da cooperativa a qual foi feito de forma participativa e transparente e respeitando o tempo e o grau de maturidade das comunidades e suas organizações.

Essa atividade é um marco no processo de fortalecimento das comunidades em busca de maior autonomia na gestão e comercialização da produção agroextrativista oriunda da Resex Verde para Sempre, onde além da recém criada COOMAR, existe desde 2014 a COOMNSPRA, cooperativa mista agroextrativista que atua no Rio Acaraí, atualmente também com 55 cooperados, e que no último dia 21 de julho realizou uma Assembleia Extraordinária de prestação de contas e de planejamento das atividades produtivas para o segundo semestre envolvendo a implementação do plano de manejo florestal sustentável e a comercialização da farinha.

Ainda existem desafios a serem superados, como a constituição e gestão de capital de giro necessários para aumentar a autonomia das comunidades na produção e comercialização agroextrativista. Para isso, ao longo do próximo ano, as diretorias das cooperativas participaram do Formar Gestão de Empreendimentos Florestais Comunitários, um programa de formação continuado o qual terá como objetivo central aprimorar a gestão dos empreendimentos, por meio da melhoria na tomada de decisão gerencial, organizacional, financeira, operacional e comercial.







Comentários