Publicações

  • Projeto Bacias Microbacia do Córrego do Crispim

    Esta publicação é o resultado do trabalho até agora desenvolvido pelo Projeto Bacias e também um subsidio importante para a sua continuidade. Ele deverá ajudar nas reuniões, discussões e conversas com a comunidade e suas lideranças para que possamos construir um plano de ação em defesa das águas da microbacia do Crispim. Link para baixar o arquivo: http://www.iieb.org.br/enviados/publicador_pdf/public_ieb_projeto_crispim.pdf

  • Manejo Comunitário de Camarão e sua Relação com a Conservação da Floresta no Estuário do Rio Amazonas: sistematização de uma experiência em Gurupá-PA

    O livro “Manejo comunitário de camarão e sua relação com a conservação da floresta no estuário do rio Amazonas: sistematização de uma experiência em Gurupá-PA”. Já lançado em Belém e Gurupá, PA, relata uma experiência de pesca de camarão, cujo diferencial é manter na natureza os camarões que não estejam no tamanho ideal para serem comercializados. A inovação tem desdobramentos ambientais, econômicos e sociais. Com esses resultados a publicação objetiva passar a lição de que é necessário valorizar os conhecimentos das populações tradicionais nos planos e projetos de desenvolvimento para Amazônia. A publicação é fruto da parceria entre o IEB, a Associação dos Trabalhadores Agroextrativistas da Ilha das Cinzas (ATAIC), e o Instituto Gurupá.

  • Relações entre Empresas, Governos e Comunidades na Amazônia Brasileira - Reflexões e Propostas - Seminário realizado em maio de 2009

    O material é baseado em um seminário realizado em maio de 2009, pelo IEB junto a diversos parceiros e contempla os resultados e as propostas das discussões do evento. Por meio de relatos de mais de 15 organizações, o livro aborda os acordos entre os atores sociais que dão nome a obra, tendo como "cenário" os processos de comercialização e certificação, o reconhecimento dos direitos de propriedade de conhecimentos tradicionais e o papel do Estado.

  • 10 Anos do IEB

    o livro IEB 10 anos, escrito pelo jornalista Marco Antônio Gonçalves, que retrata por meio de fatos históricos, a trajetória, as dificuldades e as conquistas da instituição. O livro, que possui uma linguagem clara e objetiva possui 13 capítulos e pode ser dividido em duas etapas: a primeira apresenta uma comparação entre os principais acontecimentos políticos mundiais e o surgimento do IEB, já a segunda etapa retrata o amadurecimento institucional, o reconhecimento e os novos desafios da instituição.

  • Manuel Amaral Neto

    VI Oficina de Manejo Florestal Comunitário da Amazônia Brasileira

    Esta publicação trata-se do resultado da VI Oficina de MFC da Amazônia Brasileira. As oficinas de MFC têm-se constituído em fórum privilegiado de reflexões e decisões sobre o tema.Isso se reflete nas conquistas recentes de linha de crédito para MFC e nas adequações na legislação florestal, que ilustram os avanços e as perspectivas favoráveis para o fortalecimento da atividade, a partir do apoio de diversas instituições. A realização da VI Oficina materializa essa nova fase na busca de consolidar o processo de manejo florestal comunitário na nossa Amazônia.

  • Ane Alencar, Laurent Micol, John Reid, Marcos Amend, Marília Oliveira, Vivian Zeidemann, Wilson Cabral de Souza Júnior

    A pavimentação da BR-163 e os desafios à sustentabilidade: uma análise econômica, social e ambiental

    Essa publicação representa uma importante instância da participação da Sociedade Civil brasileira organizada num processo de decisão pública de grandes implicações. A pavimentação da BR-163, uma rodovia partindo de Cuiabá no planalto central e adentrando a região amazônica até Santarém, causará impactos extensos nas economias das duas regiões bem como nos ecossistemas naturais ao longo da rota.

  • Marcelo Sampaio Carneiro, Manuel Almeida Amaral Neto, Irene Margaret Höhn

    Certificação Florestal e Movimentos Sociais na Amazônia

    Relatório do seminário realizado em Belém no período de 20 a 22 de janeiro de 2002.

  • Richard Wallace e Maria da Silva

    Como Participar em uma Rodada de Negócios: sugestões para as comunidades e associações

    Esta Cartilha que foi apoiada pelo IEB é resultado do trabalho conjunto do Grupo de Pesquisa e Extensão em Sistemas Agroflorestais do Acre (Pesacre) e Universidade da Flórida. Apresentada pelos personagens Simone e Francisco a publicação inclui informações básicas sobre o que é uma rodada de negócio, como preparar para uma rodada de negócio, o que vai encontrar em uma rodada de negócio, e como encerrar o seu encontro em uma rodada de negócio. A cartilha pode ser utilizada das mais diversas formas pelas comunidades. Seja seguindo todos os seus passos em leituras coletivas durante a preparação para a participação em feiras, rodadas de negócios, e negociações ou através de estudo prévio para tirar dúvidas sobre como participar em tais eventos.

  • Organização: Paulo Petersen e Ailton Dias

    Construção do Conhecimento Agroecológico: novos papéis, novas identidades

    Caderno do II Encontro Nacional de Agroecologia

  • Wilson Júnior, John Reid

    Custos e Benefícios do Complexo Hidrelétrico Belo Monte: uma abordagem econômico-ambiental

    Dentre os principais afluentes da margem direita do rio Amazonas está a sub-bacia do Rio Xingu, abrangendo uma área de 509.000 km². Próximo a Altamira, o rio Xingu sofre uma acentuada sinuosidade, onde existem pontos favoráveis à implantação de hidrelétricas devido a existência de quedas naturais. Em um desses planeja-se a construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, projeto que gera polêmica desde os anos 80. Este documento analisa os custos e benefícios da mais recente configuração do projeto Belo Monte.

  • Organizador(a): Nurit Bensusan

    Do Povo para o Povo

    Esta publicação apresenta os resultados de cinco dos quarenta projetos apoiados pelo Programa de Meio Ambiente da USAID no Brasil. O livro mostra como o financiamento a pequenos projetos de meio ambiente podem produzir grandes impactos para a conservação da biodiversidade e estimular o uso dos recursos naturais de forma sustentável. Principalmente no caso dos povos indígenas onde os recursos contribuem para o fortalecimento do movimento indígena no Brasil.

  • Andréa Alice da Cunha Faria e Paulo Sérgio Ferreira Neto

    Ferramentas de Diálogo

    Este guia tem como objetivo apresentar e discutir ferramentas que tem a finalidade de subsidiar a ação de mediadores e mediadoras que desejem promover um diálogo coletivo, franco e produtivo. Processos participativos de diagnóstico, planejamento e/ou monitoramento necessitam, além de ferramentas adequadas, de uma consistente reflexão sobre sua concepção metodológica, a fim de apoiar a definição de objetivos, a abrangência física e temática, os sujeitos envolvidos, bem como a construção de uma estratégia eficiente de promoção da participação.