Programa Sulam

O Programa Sul do Amazonas é uma iniciativa do IEB em parceria com várias organizações da sociedade civil e instituições dos governos federal, estadual e municipal. Surgiu a partir de um estudo sobre as ameaças de degradação ambiental e social que recaem sobre a região. Sua missão é contribuir para a construção de alternativas ao desenvolvimento baseadas na diversidade sociocultural e na sustentabilidade ambiental.

 

A presença do IEB no sul do Amazonas foi motivada por uma demanda da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SDS) para colaborar em iniciativas de fortalecimento institucional relacionadas às políticas de ordenamento territorial iniciadas. Em 2005, foi feito um diagnóstico que identificou os atores sociais e as organizações da sociedade civil, bem como as fragilidades e os desafios frente ao avanço da fronteira do desmatamento.

Em 2007, o IEB inicia efetivamente sua atuação na região liderando a execução do consórcio Fortis - Fortalecimento Institucional no Sul do Amazonas. O projeto, realizado em parceria com outras organizações não governamentais,  teve como  objetivo ampliar o diálogo entre os diferentes atores sociais e políticos dos municípios para assegurar a conservação e o uso sustentável dos recursos naturais.

Como desdobramento de suas ações, veio o projeto Fortis 319 - Fortalecimento Institucional das Unidades de Conservação da área de influência da BR-319, em 2009, cujo foco é a gestão participativa de seis unidades de conservação no entorno da rodovia. No âmbito do projeto também foi implementado um Fundo de Pequenos Apoios voltados para organizações de base comunitária.

Ampliando ainda mais a sua atuação, o IEB inicia em 2010 o Projeto Fronteiras Florestais (PFF), propondo fortalecer as organizações locais (associações, cooperativas, sindicatos, etc.) e o poder público no município de Humaitá, a beira do Rio Madeira. O projeto também tem atuação em São Felix do Xingu, no Pará.

Em 2011, o Projeto Desenvolvimento Local Sustentável (PDLS) foi lançado para trabalhar em parceria com os poderes públicos municipais e as organizações da sociedade civil visando a implementação de ações, políticas públicas, programas e projetos de apoio ao desenvolvimento local sustentável. Seu objetivo é fazer com que os investimentos governamentais cheguem de fato às populações tradicionais e indígenas que vivem nos municípios de Boca do Acre, Canutama, Humaitá, Lábrea, Manicoré e Novo Aripuanã.

Em 2011, o projeto Conservação da Biodiversidade em Terras Públicas na Amazônia Brasileira (Consbio) chega à região com o objetivo de reforçar a participação das organizações indígenas e comunidades tradicionais no planejamento, uso e gestão de Terras Públicas (Unidades de Conservação e Terras Indígenas) do sul do Amazonas e do nordeste de Rondônia. Seu objetivo é a melhoria das práticas de gestão e o aumento das oportunidades para o uso sustentável dos recursos naturais existentes.

Com esse conjunto de projetos no Sul do Amazonas, em 2012 a equipe de coordenação do IEB sentiu a necessidade de reestruturar a sua estratégia de gestão para ter um olhar mais regionalizado, integrado e complementar das suas ações na região. O resultado foi a criação do Programa Sulam, que tem como missão a transformação da sociedade regional rumo à sustentabilidade econômica, social e ambiental.

Projetos implementados pelo IEB e que integram o Programa Sulam atualmente:

Projeto Fortis BR 319

O projeto atua na capacitação de lideranças das comunidades tradicionais locais, técnicos e administradores de áreas protegidas em temas relacionados ao processo de consolidação das Unidades de Conservação.

Projeto Ordenamento Territorial no Sul do Amazonas

O projeto visa intensificar o processo de ordenamento territorial no sul do Amazonas por meio da implementação de políticas públicas de regularização fundiária e ambiental, além da utilização de instrumentos de gestão ambiental.