Projeto Escola de Sustentabilidade é lançado em Juruti (PA)

Evento também contou com ato simbólico de entrega dos cheques dos doadores que tornaram a execução do projeto possível (IJUS e Instituto Alcoa)

No último dia 28 se reuniram no auditório do Hospital 9 de Abril em Juruti/PA representantes de diversos setores da comunidade do município para o lançamento do projeto "Escola de Sustentabilidade em Juruti - ESJ", evento que também contou com ato simbólico de entrega dos cheques dos doadores que tornaram a execução do projeto possível (IJUS e Instituto Alcoa).

Dentre os participantes estavam associados do Instituto Juruti Sustentável - IJUS, sindicato dos professores da rede pública de ensino de Juruti, professores da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA), demais Universidades Locais, representantes do poder público e Alcoa.   

A escola se tornará uma realidade através da parceria entre o IJUS e o Instituto Alcoa, e contará com o Instituto Internacional de Educação do Brasil – IEB para que, a partir de sua expertise em processos formativos para a sustentabilidade ambiental na Amazônia, possa contribuir, junto com o coletivo de atores atuantes no território, de todo o processo de construção das bases da atividade, como a construção do Programa Político Pedagógico (PPP), organização e formalização do Conselho Escolar, a prática da implementação da primeira turma ainda em 2018, finalizando com o processo avaliativo e de sistematização de todo o percurso.

A escola terá o enfoque em temas como empreendedorismo social, liderança e sustentabilidade. A proposta é que o público da ESJ seja de lideranças atuantes no território, tendo o processo formativo como estratégia de fortalecimento de sua atuação.

A execução será feita em duas etapas, a primeira de concepção da Escola, e a segunda de execução da primeira turma e avaliação do percurso.

O investimento por parte dos doadores foi na ordem de R$ 550 mil, tendo o IJUS participado com investindo de R$ 100 mil e o Instituto Alcoa com R$ 450 mil, que serão aplicados nas atividades realizadas durante os 12 meses de execução do projeto.

A expectativa do IEB sobre a execução do projeto é que a mesma contribua para o fortalecimento do protagonismo dos atores e entidades que já atuam em favor da sustentabilidade socioambiental do território, e que a experiência da ESJ seja exitosa ao ponto de se tornar uma metodologia passível de, após a sua sistematização, ser replicada em outras regiões da Amazônia.







Comentários