Porto Velho recebe terceiro módulo do programa de formação em Cadeias de Valor Sustentáveis: FORMAR Castanha

Atividade é voltada para indígenas, extrativistas comunitários, associações, cooperativas e gestores públicos de áreas protegidas dos Estados de Rondônia e Amazonas

Acontece em Porto Velho até o dia 10 de maio o terceiro módulo do curso de formação em cadeias de valor sustentáveis, o “FORMAR Castanha”, voltado para indígenas, extrativistas comunitários, associações, cooperativas e gestores públicos de áreas protegidas dos Estados de Rondônia e Amazonas. Esse último módulo tem como foco os desafios da comercialização e a chegada da castanha ao consumidor final.

O objetivo do programa de formação, que teve a duração de 10 meses, é qualificar atores sociais envolvidos nas cadeias de valor da sociobiodiversidade para compreenderem e se reconhecerem em diferentes elos das cadeias de valor nas quais estão envolvidos.

A iniciativa é fruto de uma parceria entre Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB), ICMBio, Serviço Florestal dos Estados Unidos, Fundação Nacional do Índio. Faz parte do Projeto Parceria para Conservação da Biodiversidade, com apoio da USAID, e conta ainda com a parceria do Pacto das Águas, Operação Amazônia Nativa e Fundação Vitória Amazônica.

Durante os dez dias de atividades desse terceiro módulo estão previstas a apresentação de estudos e diagnósticos do panorama da Castanha do Brasil, realização de debates sobre desafios de comercialização das Usinas e sobre modelos alternativos e sustentáveis de mercado. Além disso, na noite de 8 de maio será realizada uma Feira de Talentos, com apresentações e exposição de artesanato e produtos regionais.

SEMINÁRIO FINAL

Nos dias 9 e 10 de maio acontecerá o Seminário Final da formação, que terá em sua mesa de abertura representantes do CNS, USFS, IEB, Embrapa e COIAB. Além disso, o IEB fará uma apresentação detalhada sobre o FORMAR Castanha.

Na quinta-feira (10), último dia de atividades, haverá um debate com o tema “Arranjos institucionais para fortalecimento da cadeia de valor da Castanha do Brasil”, com a presença de representantes da FUNAI, ICMBio, USFS, BNDES, GIZ, Projeto Bem Diverso e USAID.

FORMAR CASTANHA

O programa de formação, que teve início em agosto de 2017 com o primeiro módulo presencial na cidade de Ji-Paraná/RO, é composto por módulos presenciais, intercâmbio de experiências e atividades realizadas nos territórios onde os cursistas habitam.

Tem como objetivo instrumentalizar os participantes em técnicas, métodos, informações e conhecimentos necessários para tomada de decisão crítica e incidência política, com foco na defesa de direitos e desenvolvimento econômico-produtivo.

Durante o curso participam representantes de diferentes segmentos do movimento social e de organizações governamentais e não governamentais, que interagiram com os cursistas em diferentes temas.

O primeiro módulo presencial teve como tema “Introdução a Cadeia de Valor da Castanha do Brasil: Da floresta à comunidade”, já o segundo, que aconteceu em Novo Airão (AM), foi intitulado “Da Comunidade para a Cooperativa/Usina/Indústria”.

Os participantes do FORMAR Castanha são representantes dos municípios de Beruri-AM, Boca do Acre-AM, Canutama-AM, Lábrea-AM, Manaus-AM, Tapauá-AM, Manicoré-AM, Novo Airão-AM, Ji-Paraná-RO, Guajará Mirin-RO, Costa Marques-RO, Alta Floresta D'Oeste-RO, envolvendo as seguintes áreas protegidas: RESEX Medio Purus, RDS Piagaçú Purus, RESEX Arapixi, RESEX do Rio Cautário, RESEX Ituxi, RESEX Lago do Capanã Grande, RESEX Ouro Preto, RESEX Unini, TI Indigena Rio Branco, TI Caitutu, TI Igarape Lourdes, TI Itixi Mitari e TI Paumari.

 







Comentários