Intercâmbio da cadeia de valor do Cacau visita diversas propriedades no Pará

O grupo concentrou os trabalhos nos diversos tipos de produção, como o plantio cabruca e o cultivo orgânico

Mais um intercâmbio marcou as atividades do IEB (Instituto Internacional de Educação do Brasil) no mês de fevereiro. Dessa vez, o IEB facilitou o intercâmbio da cadeia de valor do cacau de Boca do Acre /AM à cidade de Medicilândia, no Pará.

O estado do Pará e a Bahia são, hoje, os dois grandes polos de produção cacaueira do país. Estiveram presentes representantes da Cooperar, cooperativa responsável pela comercialização do cacau no município, além da Resex Arapixi, ligada ao ICMBio, representando os extrativistas.

O grupo esteve em diversas propriedades de produtores, e conheceu as cooperativas Coopatrans e Copoam. A Coopatrans é proprietária da marca de chocolates Cacauway e possui uma fábrica na região. Já Copoam comercializa apenas cacau orgânico, inclusive o cacau tipo 1, como é chamado o cacau fino. Além disso, a equipe esteve na Ceplac, onde conheceram uma base de pesquisa e produção de mudas e sementes de cacau e aprenderam a técnica do enxertia do cacau.

O grupo concentrou os trabalhos nos diversos tipos de produção, como o plantio cabruca e o cultivo orgânico. O intercâmbio também foi uma importante oportunidade em conhecer melhor o processo de fermentação das amêndoas, indispensável para a produção de um chocolate de qualidade.

Essa atividade em Medicilândia foi a etapa final de um processo de levantamento de informações e diagnóstico da cadeia produtiva do cacau e da Cooperar, bem como de outros produtos da região, como o açaí e a castanha.

 







Comentários