IEB realiza segundo módulo presencial do Curso de Formação em Cadeias de Valor Sustentáveis: Formar Castanha

Atividades acontecem até 11 de novembro, na sede da Fundação Vitória Amazônica, no município de Novo Airão

O Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB) deu início no dia 31 de outubro ao segundo módulo presencial do curso de formação em cadeias de valor sustentáveis, o “FORMAR Castanha”, voltado para um público que abrange indígenas, extrativistas comunitários, associações, cooperativas e gestores públicos de áreas protegidas (Terras Indígenas e Unidades de Conservação) dos Estados de Rondônia e Amazonas.

A iniciativa é fruto de uma parceria entre o ICMBio, Serviço Florestal dos Estados Unidos, Fundação Nacional do Índio e IEB. Faz parte do Projeto Parceria para Conservação da Biodiversidade, com apoio da USAID, e conta ainda com a parceria do Pacto das Águas, Operação Amazônia Nativa e Fundação Vitória Amazônica.

O programa de formação é composto por módulos presenciais, intercâmbio de experiências, atividades a serem realizadas entre os módulos presenciais e intervenções diretas nas cadeias de valor da castanha do Brasil, nos territórios onde os cursistas habitam.

Visa instrumentalizar os participantes em técnicas, métodos, informações e conhecimentos necessários para tomada de decisão crítica e incidência política, com foco na defesa de direitos e desenvolvimento econômico-produtivo. O curso, que teve início em agosto de 2017 com o primeiro módulo presencial na cidade de Ji-Paraná/RO, procura, ainda, qualificar seus participantes para compreenderem e se reconhecerem em diferentes elos das cadeias de valor nas quais estão envolvidos.

Durante o curso participam representantes de diferentes segmentos do movimento social e de organizações governamentais e não governamentais, que interagiram com os cursistas em diferentes temas.

Os principais conteúdos abordados durante o segundo módulo, intitulado “Da Comunidade para a Cooperativa/Usina/Indústria”, relacionam-se aos Conceitos de Economia (ministrado pelo assessor Diogo Giroto da OPAN); Gargalos da Produção e Comercialização (Josinaldo Aleixo – IEB); Estratégias de Comercialização (Sávio Gomes – Pacto das Águas); Construção dos Elos da Cadeia vinculados à Comercialização saindo da comunidade, Beneficiamento nas Usinas/ Cooperativas e Comercialização pós beneficiamento (Andreia Bavaresco – IEB); Mercados Institucionais e Políticas de Crédito (Gustavo Assis – Consultor Independente); PNAE e PAA (equipe CONAB do Amazonas); Redes de Comercialização, Economia Solidária e Mercados Justos (Daniel Tygel – EITA); Contratos Coletivos (Ana Cristina Ramos de Carvalho – FVA); Organização e Gestão das Cooperativas e Associações (Júnior Fragoso – Consultor Independente), Tipos e Experiências de Certificação (Junia Karst Caminha Ruggiero – IMAFLORA) além da apresentação e discussão reflexiva sobre a Rede de Cooperativas e Associações de Beneficiamento Agroextrativista do Estado do Amazonas - RECABAAM e Rede de Negócios da Floresta, com a participação de Marcelo Mendes do Amaral (FVA) e Plácido Costa (Pacto das Aguas).

Este segundo módulo terá duração de 12 dias e está sendo realizado na sede da Fundação Vitória Amazônica, no município de Novo Airão/ AM. Essa etapa do curso conta ainda com uma experiência de intercâmbio para a Usina de Processamento de produtos da floresta da Cooperativa dos Moradores do Rio Unini (COOMARU), local onde o grupo pode interagir com as comunidades e lideranças da RESEX que operam e conduzem a usina, entender os processos vinculados ao beneficiamento da castanha, compreender o uso das máquinas e infraestruturas utilizadas, aprender como funcionam os arranjos de trabalho dos comunitários dentro da usina, entre outros temas.

Os participantes do FORMAR Castanha são representantes dos municípios de Beruri-AM, Boca do Acre-AM, Canutama-AM, Lábrea-AM, Manaus-AM, Tapauá-AM, Manicoré-AM, Novo Airão-AM, Ji-Paraná-RO, Guajará Mirin-RO, Costa Marques-RO, Alta Floresta D'Oeste-RO, envolvendo as seguintes áreas protegidas: RESEX Medio Purus, RDS Piagaçú Purus, RESEX Arapixi, RESEX do Rio Cautário, RESEX Ituxi, RESEX Lago do Capanã Grande, RESEX Ouro Preto, RESEX Unini, TI Indigena Rio Branco, TI Caitutu, TI Igarape Lourdes, TI Itixi Mitari e TI Paumari.

O próximo módulo do Formar Castanha, “Da Indústria para o Consumidor Final”, será realizado em abril de 2018, no município de Porto Velho, Rondônia, e terá como foco principal a relação entre os processos industriais e entrepostos logísticos com os consumidores finais da castanha-do-Brasil, além da realização de um Seminário Final com a apresentação dos resultados finais e lições aprendidas durante o processo de formação continuado do “FORMAR Castanha”.







Comentários